Tendências

A ética por trás das vacinas – reflexões bioéticas da pandemia Covid-19

A ética por trás das vacinas – reflexões bioéticas da pandemia Covid-19Vacina contra Covid-19

Naira Hossepian Salles de Lima Hojaij

Médica assistente do Serviço de Geriatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP); doutora em ciências pela USP.

Reinaldo Ayer de Oliveira

Docente de bioética do Departamento de Medicina Legal, Ética Médica, Bioética, Medicina Social e do Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP); coordenador do Grupo de Pesquisa em Bioética, Direito e Medicina da FMUSP.

 

“O mundo está à beira de uma falência moral catastrófica. E o preço dessa falência será pago com vidas nos países mais pobres.”

Tedros Adhanom, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS)

 

Desde o seu início, a pandemia da Covid-19 trouxe à tona muitas questões humanas de âmbito moral e ético. Passamos pela fase inicial, onde as questões de alocação de recursos escassos, como leitos de UTI e ventiladores, migraram da ficção para a realidade em pouquíssimo tempo e em tantos serviços de saúde pelo mundo. As sociedades e os seres humanos, apavorados com o desconhecido vírus e sua ardilosa capacidade de surpreender toda e qualquer presunção humana de controle da vida, se uniram em valores coletivos de solidariedade e alteridade. Profissionais da saúde incansáveis na sua missão diária de minimizar os danos de uma doença sem precedentes, governantes na sua missão emergencial de prover recursos econômicos, físicos e humanos para a batalha biológica por vir, e a sociedade na sua missão humanitária de proteger a si e ao outro como uma unidade de sobrevivência coletiva.

O tempo mostrou quanto as previsões eram mais uma das artimanhas desse vírus – ondas recheadas de estatísticas elaboradas eram, na verdade, partes de uma única onda. O evitável transformando-se em inevitável, as certezas desmanchando-se em incertezas, a esperança em um fim demorando-se em um sem-fim de promessas. Por quanto mais tempo e volume de onda iríamos passar?

E se fizeram necessários outros valiosos componentes psicológicos do nosso capital humano: otimismo, esperança, autoeficácia e resiliência. Segundo Luthens, esses são os domínios necessários para o chamado capital psicológico (PsyCap) do ser humano, que o prepara para lidar melhor com desafios, ter otimismo nas situações negativas, acreditar em desfechos positivos e ser capaz de se reerguer após uma crise. O PsyCap é um estado psicológico construído a partir do processo de crescimento e desenvolvimento de uma pessoa no seu contexto social, e torna-se um recurso importante na redução da angústia inevitável diante da crise, além de ser um mediador na promoção da empatia humana. O humano aprendendo a reconhecer as experiências, preocupações, sentimentos e perspectivas do outro humano. Senão pela dimensão afetiva, que inclui compaixão e simpatia, pelo menos a partir de uma dimensão cognitiva e comportamental da empatia.

Enquanto o avançar da pandemia trouxe a inacreditável cifra de mais de 2 milhões de mortes no mundo, sendo mais de 200 mil no Brasil, não observamos o mesmo crescimento nos quesitos humanos de solidariedade e alteridade de maneira consistente para um adequado controle social, econômico e biológico. Se poucas conclusões científicas conseguimos sobre a biologia desse vírus e da Covid-19, no âmbito epidemiológico pudemos observar que atitudes sociais e políticas que privilegiaram o indivíduo em detrimento do coletivo foram os principais contribuintes para essa incontrolável crise global.

A pandemia de Covid-19 ultrapassa 2020 e chega em um esperançoso início de 2021. Cientistas anunciam a chegada das vacinas para o uso populacional. Eficazes e seguras, diversificadas nos seus princípios biotecnológicos e nas procedências. No Brasil, milhares de voluntários participaram dos estudos de fase 3, assegurando uma representatividade regional satisfatória. Se no mundo, segundo Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS, as vacinas trouxeram esperança para alguns e aumentaram o fosso de desigualdade entre os países ricos e pobres, o que imaginar das dificuldades técnicas e éticas de uma campanha de vacinação em massa num país que escancarou a desigualdade e iniquidade social? A desigualdade nos cuidados à saúde no Brasil ficou claramente demonstrada a partir da análise retrospectiva das primeiras 250 mil admissões hospitalares de Covid-19 no país, revelando disparidades alarmantes que se refletiram em taxas de mortalidade significativamente diferentes entre as regiões do país. Como dispositivo de prevenção, as vacinas tornam-se ainda mais importantes nessa luta contra a desigualdade da saúde num país com tamanha iniquidade social.

A história da vacinação em nosso país traz paradoxos. De um lado, somos um país em desenvolvimento com reconhecida capacidade de vacinação populacional, suficiente para a contingência de várias doenças infecciosas; de outro, somos um exemplo de falta de investimento em saneamento e condições sanitárias adequadas para o controle de novas epidemias, contribuindo ainda mais para a dependência vacinal. A mesma desigualdade socioeducacional que aumenta o risco de doenças promove o desconhecimento e a descrença na importância das vacinas, ainda mais sendo elas também potenciais causadoras de efeitos adversos indesejáveis.

As questões bioéticas surgem a partir do conflito moral existente no poder vacinal em causar tanto o bem (proteção imunológica, redução de impacto individual e coletivo da doença) quanto o mal (efeitos adversos indesejáveis e não controláveis). Retornemos então às prerrogativas técnicas e morais: a vacina é um bem comum, com eficácia comprovada para o controle e a prevenção de epidemias que possam prejudicar a saúde individual e coletiva. Sob um argumento utilitarista baseado no conceito moral de John Stuart Mill, por se tratar de um bem comum com impacto na saúde pública, o interesse individual deve ser relativizado em favor do interesse coletivo, em atendimento ao “princípio da proteção do corpo social contra as ameaças de indivíduos e grupos que possam prejudicá-lo”. Em situação de grave crise de saúde, como na pandemia atual, considera-se mais forte ainda esse dever do cidadão em favor do coletivo, justificado também pelo princípio da proporcionalidade.

Por outro lado, esse mesmo bem comum não é isento de eventos adversos ruins ao indivíduo, especialmente àquele mais vulnerável, tornando-se assim necessárias as reflexões éticas sobre a compulsoriedade vacinal e a garantia de medidas de compensação protetoras aos acometidos pelas reações vacinais. Medidas como a obrigatoriedade de assinatura de termo de consentimento vacinal, por exemplo, não apresentam argumentos morais para a isenção da responsabilidade do Estado no adequado suporte ao tratamento das vítimas de reações vacinais. De certa forma, a partir das prerrogativas morais acima descritas, a vacinação como bem comum, que supera o interesse individual, reforça a teoria biopolítica de Foucault, onde o Estado tem um biopoder sobre a vida humana, indispensável para o controle das epidemias.

Considerando, portanto, os princípios éticos do respeito à alteridade, onde o ser humano reconhece o outro e a existência da interação com o outro para a sobrevivência, da empatia, da solidariedade, da responsabilidade e da justiça social, são necessários esforços reflexivos da bioética no sentido de reforçar a credibilidade do poder indiscutível da vacinação para o bem comum, desde que respeitada a garantia das medidas protetoras aos vulneráveis a efeitos adversos, quando existirem. Seguramente, a partir das reflexões bioéticas conseguiremos ações coletivas mais justas, que atendam à necessidade premente de proteção populacional no contexto atual da pandemia de Covid-19.

Referências bibliográficas:

  1. Jansen R. Distribuição desigual de vacinas contra a Covid-19 beneficia países mais ricos. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 26 de janeiro de 2021. Disponível em: < https://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,especial-distribuicao-desigual-de-vacinas-contra-a-covid-19-pelo-mundo-beneficia-paises-ricos,70003592745>. Acesso em: 26 de janeiro de 2021.
  2. Luthans F, Avolio BJ, Avey JB. Positive psychological capital: measurement and relationship with performance and satisfaction. Personnel Psychol. 2007;60:541–572.
  3. Ranzani OT, Bastos LSL, Gelli JGM, Marchesi JF, Baião F, Hamacher S, Bozza FA. Characterisation of the first 250 000 hospital admissions for COVID-19 in Brazil: a retrospective analysis of nationwide data. Lancet Respir Med. 2021 Jan 15:S2213-2600(20)30560-9. doi: 10.1016/S2213-2600(20)30560-9. Epub ahead of print. PMID: 33460571.
  4. Lessa SC, Schramm FR. Proteção individual versus proteção coletiva: análise bioética do programa nacional de vacinação infantil em massa. Ciência & Saúde Coletiva, 20(1):115-124, 2015.
  5. Jin J, Li H, Song W, Jiang N, Zhao W, Wen D. The mediating role of psychological capital on the relation between distress and empathy of medical residents: a cross-sectional survey. Med Educ Online. 2020 Dec;25(1):1710326. doi: 10.1080/10872981.2019.1710326. PMID: 31900104; PMCID: PMC6968582.