Destaque

Envelhecimento ativo: uma necessária conquista

Envelhecimento ativo: uma necessária conquistaHappy seniors friends taking a selfie photo with smartphone camera at barbecue dinner in house terrace

Maisa Kairalla

Médica geriatra, coordenadora do Ambulatório de Transição de Cuidados da Disciplina de Geriatria e Gerontologia da Unifesp, Presidente da Comissão de Vacinação da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG)

 

 

Pensar que um idoso que hoje tem 75 anos tinha a expectativa de viver apenas até os 45 anos quando nasceu é estranho e pouco compreensível. É incrível pensar na velocidade com que estamos envelhecendo quando nos damos conta de que em breve a expectativa de vida no Brasil será de 86 anos. A estimativa é de que em três décadas o Brasil terá 64 milhões de idosos, o equivalente a 30% da população total – um fato inédito e de grande valor.

Viver por mais tempo sempre foi uma grande pretensão dos homens. Quantos sonhos se perderam por aqueles que não envelheceram? O que nos diriam aqueles que tiveram conquistas e planos ceifados pela morte precoce? O filósofo e escritor Marco Túlio Cícero (106-43 a.C.) parecia viver no Brasil em 2021 e ser um profundo conhecedor de nossa demografia quando disse “Ninguém é tão velho para não acreditar que poderá viver por mais um ano”.

Atualmente, não podemos imaginar a vida terminar perto dos 50 anos. A presença de idosos ativos na sociedade, engajados na vida pública, acadêmica, social, corporativa e privada, traduz um novo cenário populacional que precisa ser entendido, experimentado, demonstrado e, acima de tudo, respeitado e valorizado. Sabemos que todos os avanços científicos e tecnológicos – melhoria em infraestrutura, modernização de máquinas, descobertas médicas, para citar alguns – têm contribuído enormemente para a longevidade. Essa conquista é um grande marco revolucionário, fruto de grandes investimentos.

Novas tecnologias, portanto, nos trazem a esperança de uma vida longa e melhor. Nossa tarefa, porém, é entender o que devemos fazer por nós mesmos diariamente. É preciso planejamento para atingir o envelhecimento independente e ativo. Conhecer o “poupar” desde sempre para ter reserva para “gastar” quando formos mais velhos é fundamental. Sempre falo sobre isso, enfatizando que esse processo se inicia na infância – deixar para depois é perder tempo. É claro que as bases já conhecidas, como boa alimentação, genética, atividade física e bons hábitos, contribuem de maneira exponencial para o envelhecimento saudável e sustentável. O que falta é o conhecimento sobre a necessidade da prevenção e da educação.

Dessa maneira, não basta simplesmente viver mais. Precisamos envelhecer de forma ativa, com qualidade de vida. E é assim, ativamente, que devemos lançar a proposta do nosso próprio envelhecimento.

Educação sobre o envelhecimento

Uma análise da pirâmide demográfica brasileira levanta a dúvida: será que todos se engajam para que o seu envelhecimento seja ativo? Pesquisas mostram que, independentemente da idade, é preciso pensar e planejar os passos rumo ao  envelhecimento. Para obter sucesso nessa jornada, é necessário estar munido de conhecimento e preparado para viver por mais tempo a plenitude da vitalidade. Devemos “adiar” em muitos anos o surgimento de doenças consideradas comuns no processo de envelhecer. Devemos investir em atitudes que possibilitem guardar “ativos” de saúde que estão ligados ao nosso comportamento social, emocional, financeiro e educacional. Esse espectro inclui desde hábitos alimentares até movimentação do corpo e da mente, para manutenção da saúde óssea e muscular e da capacidade cognitiva (memória, aprendizagem, raciocínio).

Aprender a gerir as emoções é outra frente que deve ser incluída na nossa poupança, pois se trata de um ativo que pode impactar – e muito – na qualidade de nossa velhice. A resiliência e a esperança pelos dias que virão contam muito para se envelhecer com qualidade. Paralelamente a isso, é fundamental estabelecer e manter relações sociais sadias. Estudos demonstram que os vínculos sociais colaboram para a longevidade e que civilizações que mantêm o contato social próximo apresentam um envelhecimento sadio e bem-sucedido.

Outro aspecto que poucos levam em conta é a saúde financeira, pois fazer uma reserva envolve também uma economia de dinheiro. Esse é um pilar extremamente complexo num país com tantas desigualdades sociais como o Brasil, mas sem dúvida deve ser discutido.

Valor do propósito

Por fim, mas não menos importante no processo do envelhecimento, é o propósito de vida. É ele que molda a forma de se olhar e se preparar para a velhice. Sem ele, é impossível que o idoso seja protagonista de sua própria história. Ter um propósito de vida durante o envelhecimento é um marco fundamental para envelhecer bem, e inúmeros estudos mostram esse fenômeno.

Um deles foi conduzido recentemente na Universidade de Michigan e analisou 6.985 pessoas acima de 50 anos. Os pesquisadores concluíram que indivíduos sem um forte propósito de vida demonstraram uma maior taxa de mortalidade ao longo dos anos.

Já um outro artigo, intitulado Pertaining to Older Adults and Purpose, se propôs a analisar os resultados de 31 estudos que apontavam para a relação entre propósito e boa saúde e bem-estar entre idosos. Segundo esse trabalho, experimentar um propósito na velhice oferece oportunidades para que os idosos continuem contribuindo com a sociedade em que vivem, bem como se mantenham ativos e participando de atividades significativas e que possibilitem sustentar seu valor social e senso de relevância.

Por definição, ter um propósito significa ter um senso de intencionalidade, um meio de nortear nossos comportamentos, bem como as ações que serão realizadas para alcançar nossos objetivos. Embora seja algo extremamente subjetivo, sabe-se que ter um propósito de vida é basicamente ter um “propulsor” para seguir adiante, independentemente das adversidades enfrentadas. O desejo de realizar/alcançar algo é o que nos move e, assim, saber aonde se quer chegar é uma maneira de encontrar forças para vencer os desafios.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estabelece três pilares para o envelhecimento ativo: saúde, segurança e participação. Enquanto o pilar “saúde” engloba promover hábitos saudáveis, além de combater os fatores de risco (ambientais e comportamentais), o segundo pilar diz respeito à segurança, tanto física como financeira, assegurando proteção, dignidade e assistência aos idosos. E, por fim, temos o terceiro pilar: “participação”, que se refere à integração dos idosos nas atividades socioeconômicas, culturais e espirituais.

A esses três, acredito que ter um propósito também seja uma das formas para se alcançar qualidade de vida na velhice.

Na verdade, propósito é algo que precisamos ter, independentemente da idade. É importante exercer o autoconhecimento e entender os próprios anseios, objetivos e valores – em suma, encontrar razões para acreditar e viver. Ao fazer esse exercício, assume-se responsabilidade sobre a própria vida, o que permite realizar escolhas de maneira mais consciente e que poderão contribuir, inclusive, com uma longevidade mais saudável. Engana-se aquele que pensa que a vida termina na aposentadoria ou na idade fixada que tacha o nome idoso.

Para o idoso, em especial, a falta de propósito pode trazer uma falta de perspectiva e isolamento, acarretando problemas tanto na saúde física quanto na mental, piorando a qualidade de vida e as interações sociais.

Por fim, envelhecer sim, sempre. Todos teremos esse caminho, mais longo ou mais curto. A questão é como chegar bem na velhice. Como ser ativo e desfrutar de tudo o que a vida nos oferece. Poupar durante a vida os ativos de saúde e envelhecer com resiliência e propósito são ferramentas que traduzem o envelhecimento ativo e sustentável. São corrimões que nos levam para além dos degraus que poderíamos planejar. Não poderia deixar de citar Winston Churchill (1874-1965), grande estadista inglês que fez sua história ativamente: “Não é suficiente ter vivido. Devemos estar determinados a viver por algo”.

Referências bibliográficas:

  • Alimujiang A, Wiensch A, Boss J, Fleischer NL, Mondul AM, McLean K, Mukherjee B, Pearce CL. Association Between Life Purpose and Mortality Among US Adults Older Than 50 Years. JAMA Netw Open. 2019 May 3;2(5):e194270. doi: 10.1001/jamanetworkopen.2019.4270. PMID: 31125099; PMCID: PMC6632139.
  • Irving J, Davis S, Collier A. Aging With Purpose: Systematic Search and Review of Literature Pertaining to Older Adults and Purpose. Int J Aging Hum Dev. 2017 Dec;85(4):403-437. doi: 10.1177/0091415017702908. Epub 2017 Apr 10. PMID: 28391702.
  • World Health Organization. Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. : il.
  • Friedman, S. M., Mulhausen, P. , Cleveland, M. L., Coll, P. P., Daniel, K. M., Hayward, A. D., Shah, K. , Skudlarska, B. and White, H. K. (2018), Healthy Aging: American Geriatrics Society White Paper Executive Summary. J Am Geriatr Soc. doi:10.1111/jgs.15644.

 

Conteúdo patrocinado pela Apsen e Extima